lb fr pt en
Orientéierungshëllef fir d’Héichpunkten . Repères des temps forts  

Dia-a-dia

Uma vista rápida ao ano litúrgico

Tempo Comum
21 de Maio de 2018 - 1 de Dezembro de 2018
Entre os dois tempos fortes há um tempo comum. As leituras conduzem-nos ao Jordão, às cidades da Galileia: três anos da vida de Cristo que, a pouco e pouco, revelam a sua identidade.
 
Cristo, Rei do Universo
25 de Novembro de 2018
Festa de Cristo que conduz a humanidade e o Universo ao seu fim glorioso.
A festa do Cristo Rei é relativamente recente. Foi proclamada pelo papa Pio XI em 1925, para reafirmar o pensamento religioso da Igreja em matérias profanas, que muitos queriam excluir.
Devemos ser cristãos, não apenas durante a missa, mas na nossa vida familiar, social e política.
 

Tempo do Advento
2 de Dezembro de 2018 - 24 de Dezembro de 2018
Primeira etapa a caminho da Páscoa, o Advento convida-nos a esperar a vinda gloriosa de Jesus Ressuscitado.
O Advento é uma amalgama de vários «tempos de preparação» para o Natal:
O mais ascético, uma espécie de “Quaresma do Natal”, que nos leva ao baptismo no dia da Epifania (influência galo-egípcia); uma outra mais histórica: a preparação para festa do Nascimento de Cristo (de influência romana); e uma terceira, mais escatológica, orientada para a última vinda de Cristo (de influência irlandesa).
 
Natal, Natividade do Senhor
25 de Dezembro de 2018
Para a maior parte das pessoas, o Natal é o presépio, os pastores, os anjos, a estrela, os Reis Magos, e festejam o Natal separadamente, sem compreenderam que o Natal é o início de algo. Hoje nasceu o Salvador; o início de uma caminhada até ao cimo do calvário, onde este Salvador, na cruz, nos libertará, aquele que vai cantar na noite de Páscoa Ressuscitou, e graças a quem irão nascer, nas águas do baptismo, filhos de Deus. O Natal é um nascimento com vista ao renascer da Páscoa.
 
Epifania do Senhor
6 de Janeiro de 2019
Festa da manifestação de Deus que vem visitar o seu povo.
Esta festa é maior do que a do Natal. É o Natal na sua plenitude. O povo católico ocidental, sobretudo depois de Francisco de Assis, o criador do presépio, prefere o Natal, e festeja o acontecimento histórico, o nascimento do menino Jesus. Os orientais, e de alguma forma também nós, festejam um acontecimento mais profundo: a Epifania de Deus, a manifestação gloriosa do Verbo de Deus no meio de nós.
 
Tempo do Natal
25 de Dezembro de 2018 - 13 de Janeiro de 2019
Um tempo para prolongar a alegria. Cristo nasceu, e está entre nós.
O Natal, já celebrado em três missas sucessivas (noite, aurora e dia) vai agora prolongar-se nas festas da Sagrada Família de Nazaré, na solenidade de Maria, Mãe de Deus. A estas duas festas, de carácter mais íntimo, vai ainda juntar-se a Epifania, que também se prolonga até ao Baptismo do Senhor.
Prolonguemos o gozo natalício, porque Cristo continua entre de nós. Que a Festa continue.
 

Tempo comum
14 de Janeiro de 2019 – 5 de Março 2019
Entre os dois tempos fortes há um tempo comum. As leituras conduzem-nos ao Jordão, às cidades da Galileia: três anos da vida de Cristo que, a pouco e pouco, revelam a sua identidade.
 

Quarta-feira de Cinzas
6 de Março de 2019
Dia de penitência no início da Quaresma.
O domingo, dia de ressurreição, dia de alegria, nunca foi dia de jejum. Uma liturgia muito rigorosa deu-se conta que não jejuávamos 40 dias. Assim surge o jejum na quarta-feira, antes do primeiro domingo da Quaresma. Para além do jejum há o hábito de impor as cinzas aos penitentes.
Quaresma
6 de Março de 2019 - 20 de Abril de 2019
Uma espiritualidade exigente, mas estimulante. Mudar qualquer coisa, passar de um lugar para outro, não se pode fazer sem rupturas. Com o olhos fixos num objectivo enorme: o enraizamento profundo de Cristo na nossa vida.
 
Semana Santa
14 de Abril de 2019 - 20 de Abril de 2019
A Semana Grande, na qual seguimos os passos de Cristo até à sua Ressurreição.
Chega a Semana Grande, a mais bonita, a mais importante de todas as semanas, e a que designamos Santa. Uma semana para seguir Cristo, passo a passo, tal como fazemos na recitação do Credo, em que o ritmo abranda quando é chegada a parte em que professamos a morte de Cristo (“padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado…”). Tudo porque estamos calmamente a professar, a celebrar e a viver o aspecto fundamental da nossa fé.
 
Quarta-feira Santa: Missa Crismal
17 de Abril de 2019
Para esta celebração, o colégio de presbíteros reúne-se à volta do bispo. A celebração recorda à comunidade, a sua responsabilidade comum de nunca abandonar um dos seus membros, independentemente do estado em que se encontre. É altura de recordar aos presbíteros que a sua missão não é mandar, mas antes gerar o amor entre todos. Lembra a cada um dos membros da comunidade, que se um é esquecido, a comunidade está ferida; se alguém é abandonado, então a comunidade não está a dar resposta à sua missão.
 
Quinta-feira Santa
18 de Abril de 2019
Celebração da passagem (Páscoa) da morte à ressurreição.
S. Paulo põe em evidência a relação estreita entre a eucaristia e a morte de Cristo na cruz, quando diz as mesmas palavras de Jesus: Isto é o meu corpo, que é entregue por vós; este é o cálice da nova aliança, é o meu sangue que escorre na cruz…
 
Sexta-feira Santa
19 de Abril de 2019
Celebramos o dia da morte de Cristo, e pela fé temos a certeza que a cruz liberta.
Neste dia, ouvem-se dois gritos contraditórios, mas inseparáveis, ao longo da liturgia: o grito de Jesus, “Meu Deus, porque me abandonaste", e o grito da Igreja, que diz que pelo madeiro da cruz chegou a alegria ao mundo…
 

Sábado Santo: Vigília Pascal
20 de Abril de 2019
Vigília de festa: Cristo ressuscitou, e nós todos ressuscitamos com ele.
Noite maravilhosa, ímpar na Igreja, ainda que a noite de Natal seja muito popular. Mas Cristo nasceu em função da noite da Páscoa, Cristo nasceu no Natal para depois nos libertar na Páscoa. Sem esta noite, toda a liturgia cristã perde sentido. “Se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, e é vã a vossa fé” (1 Cor 15,14).
 
Páscoa: Domingo da Ressurreição
21 de Abril de 2019
Depois da vigília da noite da Páscoa, surge a festa da ressurreição já com a luz do sol.
No primeiro dia da semana judaica, as mulheres dirigiram-se para o túmulo; no primeiro dia, Jesus aparece, em primeiro lugar, a Maria de Magdala, neste mesmo dia os discípulos de Emaús reconhecem-no; no final do dia Jesus apresenta-se no meio dos discípulos; oito dias depois, (sempre no primeiro dia da semana) Jesus vem…
 
Tempo da Páscoa
21 de Abril de 2019 - 9 Junho de 2019
Cinquenta dias de festa à volta da Ressurreição de Jesus. A vida dos primeiros cristão é recordada nas leituras deste tempo.
A primeira semana reveste-se de um significado particular: Todos os dias se canta o “Glória” e o prefácio da missa diz que “hoje, o dia em que Cristo nossa Páscoa foi imolado”. Nos ritos de conclusão, à despedida, ao “ide em paz, e que o Senhor vos acompanhe”, junta-se ainda o “Aleluia, Aleluia”.
 
Octave a Nossa senhora
11 de Maio de 2019 - 26 de Maio de 2019
A peregrinação a Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos é um dos pilares da piedade popular luxemburguesa. A “Octave” realiza-se do 3° ao 5° domingo da Páscoa.
 
Ascensão
30 de Maio de 2019
Festa da passagem da vida terrestre de Cristo à sua vida gloriosa.
Mais do que a partida de Jesus para o Céu, hoje celebramos uma outra forma da presença de Jesus. No momento da partida Jesus disse-nos: “Eis que eu estarei convosco, todos os dias, até ao fim do mundo” (Mt 28, 20). Jesus está aqui, mas de uma outra forma, mais intensa, gloriosa, agindo através do seu Espírito que também no-lo comunica.
 
Fátima
30 de Maio de 2019
Peregrinação da comunidade de língua Portuguesa a Wiltz: Erigida após um juramento solene um grupo de residentes que corriam perigo durante a Segunda Guerra Mundial. O Calvário e a Capela (na 12ª estação) testemunham a sua crença religiosa e a confiança em Nossa Senhora de Fátima. Após a chegada, em meados do século XX, os portugueses descobriram com alegria e gratidão o santuário no alto da colina, símbolo da sua terra natal. Desde 1968, milhares de peregrinos reúnem-se no dia da Ascensão para subir à colina onde se encontra o santuário.
 
Pentecostes
9 de Junho de 2019
Depois do nascimento pascal, eis a entrada na vida espiritual adulta. Aquele que nasceu nas águas do Baptismo, na noite da Páscoa, é nesta noite confirmado. O Pentecostes ainda é a Páscoa. É a Páscoa em todo o seu esplendor, e é nesta ocasião, no último dia da festa, que explode com toda a magnificência, aquilo que se tinha cumprido no silêncio divino da manhã da Ressurreição.
 
Procissão Dançante
11 de Junho de 2019
Na terça-feira de Pentecostes, depois da missa pontifical na Basílica, o arcebispo do Luxemburgo, desde o cimo da escadaria do pátio de honra da antiga abadia de S.Willibrord, dá as boas vindas aos peregrinos. Os cânticos abrem a procissão, acompanhados de invocações a S. Willibrord. Depois juntam-se ao cortejo os peregrinos vindos dos Países Baixos, do Baixo Reno e de outras regiões onde o santo é venerado.
A procissão percorre a cidade, depois entra na igreja rumo à cripta, onde está o túmulo do santo. As danças acabam já no exterior da Basílica. A procissão encerra com a eucaristia.
 
Assunção
15 de Agosto de 2019
A virgem Maria foi elevada ao céu de corpo e alma.
A festa da Dormição de Maria já era celebrada desde os meados do séc.V, no dia 18 de Janeiro, sem que haja uma razão especifica para a escolha desta data. O imperador Maurício († 602) transfere a data da festa para o dia 15 de Agosto, e decreta o carácter solene da festividade. No séc VII, a festa está generalizada quer no Oriente quer no Ocidente, mas nesta altura ainda não era evidente a Assunção de Maria, dogma que viria a ser definido por Pio XII. Celebrava-se a Dormição de Maria, quer dizer a sua morte, tal como se celebrava o dia da morte dos mártires.
 
Todos-os-Santos
1 de Novembro de 2019
Festa de Todos-os-Santos
A origem da festa de Todos-os-Santos remonta à época, em que terminada a perseguição dos cristãos, a Igreja decide celebrar uma festa comum aos inúmeros mártires, conhecidos, mas também desconhecidos.
No Oriente comemora-se o dia dos mártires, no primeiro domingo a seguir ao Pentecostes, como fruto do Espírito Santo que animava estes heróis da fé…
 
Comemoração dos Fiéis Defuntos
2 de Novembro de 2019
“Vocês, pelo menos, têm a sorte de acreditar”. Quem é que já não ouviu esta frase na altura do enterro de um familiar, de um amigo, ou de um colega de trabalho ?
Os não-crentes, durante o luto, ou na altura de um sofrimento mais ou menos conhecido de todos, invejam a nossa fé.
 
“Octave” S. Willibrord
7 de Novembro de 2019
A festa de São Willibrord é celebrada todos os anos, a 7 de Novembro, na basílica Echternach, durante uma Oitava. Willibrord é o padroeiro secundário do Luxemburgo. A festa acolhe os peregrinos vindos de todos as paróquias do Luxemburgo, em sua representação. Há um pregador para a Oitava, e o arcebispo do Luxemburgo celebra uma missa pontifical que é transmitida pela Rádio do Luxemburgo.
 
 
Ä e r z b i s t u m    L ë t z e b u e r g   .   A r c h e v ê c h é   d e   L u x e m b o u r g    .   
YouTube
SoundCloud
Twitter
Instagram
Facebook
WhatsApp 352 691 12 97 76
Service Kommunikatioun a Press . Service Communication et Presse
Äerzbistum Lëtzebuerg . Archevêché de Luxembourg

© Verschidde Rechter reservéiert . Certains droits réservés
Dateschutz . Protection des données
Ëmwelt- a Klimaschutz . Protection de l'environnement et du climat
5 avenue Marie-Thérèse
Bâtiment H, 1er Étage
L-2132 Luxembourg
+352 44 74 34 01
com cathol.lu